Carregador de 7kW ou 11kW?

Caros, sou novo aqui, perdão se esta discussão já ocorre em outro tópico.

Estou fechando a instalação do carregador no meu prédio, meu Plus chega em uns 10 dias, e pedi 3 opções: a) 3 fios em eletroduto de 1 polegada, b) 3 fios em eletroduto de 1,5 polegadas, e c) 5 fios em eletroduto de 1,5 polegadas.

Com a primeira opção obtenho 7,4kW. Por R$ 2 mil a mais chego na terceira, trifásico 220V @ 11kW - mas aí tem que comprar tb o carregador, mais uns 8 mil reais pelo menos. A segunda opção é a primeira opção com mais folga de eletroduto para um dia migrar para o trifásico.

Posso dizer que as brilhantes discussões nesse forum, como dos colegas @Vitor e @Surak, foram determinantes na definição da minha estratégia de carregamento, e por consequência da instalação da infraestrutura. A propósito, meu perfil será de rodar entre 30km e 100km por dia na cidade de SP, perímetro urbano.

De tudo que li, DoD, temperaturas, potência de carga, etc. pretendo seguir a estratégia de toda noite carregar até 100% na menor potência/corrente que me possibilite encontrar o carro com 100% pela manhã (a verificar empiricamente). Só espero poder controlar a potência de carga no carro, já que o carregador da BYD não permite, ao contrário dos de 11kW que pesquisei como o da Weg, que permite limitar a corrente de carga.

Assim, para isso, estou fechando a primeira opção, 3 fios 220V para suportar os 7 kW do carregador BYD, sem ficar com a tentação de migrar para trifásico em futuro próximo.

Com essa opção deixo de gastar 10 mil reais, a tubulação não fica enorme e, tão ou mais importante, deixo mais potência livre no prédio para os próximos donos de VEs (esse tema aliás, se não tem um tópico ainda aqui, deveria ter).

Comentários serão benvindos!

3 curtidas

Primeiramente, obrigado. Eu nem acho que contribuo tanto quanto deveria. Inclusive estou instalando meu wallbox essa semana, deve ser energizado em coisa de uma ou duas semanas. Que saga!

Sobre a sua decisão, eu provavelmente teria decidido o mesmo. 7kW vão te atender 99,9% dos dias e, como a economia é substancial, deixa pra gastar grana com as soluções que surgirão com o tempo (imagino que eletropostos de carregamento DC se tornem comuns em breve).

Sobre o wallbox, tá barateando demais. Um Feyree de 32A/7kW tá saindo por volta de mil reais no aliexpress. Produto parece bem honesto.

Meu rodar é similar ao seu, não é recomendado inclusive esta descrito no Manual ficar fazendo cargas curtas, mas você ira entender confome o seu uso como sera sua carga, no nas primeiras semanas colocava quase todos os dias, hoje coloco ele para carrega a noite a cada 3 dias , quando chega em media a 30% conecto e deixo carregando até os 100%, pois como esta descrito pelo fabricante deve se evitar ficar dando carga com pequenos percursos sei la consumiu 10% ou 20% nao precisa colocar para carregar

Oi Marcelo, eu pensava como você, mas depois de ver aqui que o alto DoD é o grande ofensor para baterias LFP, acho vai ser nem ao céu nem à terra: carregar max. 1 vez ao dia, de noite, se a bateria estiver abaixo de uns 70%.

Que tal?

O ponto já foi explicado inclusive pelo Júlio as baterias são diferentes, simplesmente você irá fazer uma coisa que o próprio fabricante não recomenda, para escrever um manual centenas de engenheiros trabalharam, realizaram testes por muito tempo e só depois disso eles colocam no manual do fabricante qual será a forma certa de uso, qualquer informação externa é um achismo e não o que o fabricante HOMOLOGOU, neste caso entre um achismo e o que o próprio fabricante do carro homologou, prefiro ficar com o fabricante, mas boa sorte aí no seu método

1 curtida

Vitor, com o imposto ele sobe pra 2.200,00 mais ou menos… Comprei o meu essa semana, mas peguei o de 16A que custou 940,00 e está aqui no Brasil, se fosse enviado da China sairia por 1100,00 mais ou menos por causa do bendito imposto.

Cara eu já deixaria os cabos do trifásico passados até a sua WallBox, vai que daqui 1 ano você resolve fazer esse upgrade, já vai estar com a instalação pronta. Se não usar o cabo vai continuar ali, agora se for usar aí você teria o trabalho de fazer toda a instalação de novo, em termos de custo não deve aumentar 200,00 nessa fiação do trifásico.

As vezes ele entra em promoção por 700, aí com imposto vai pra uns mil e pouco… tem que ter paciencia

Oi @andre.sf e @Truc_dp.

Depende muito da forma que vai usar. Se o objetivo é deixar carregando durante a noite, então tanto faz se vai levar 8 horas ou 5 horas para uma carga completa. Mas é bom evitar bateria baixa, pois pouca carga é o que mais prejudica a bateria, então na prática leva menos tempo que isso nas cargas. Além disso segundo o manual, “recarga com baixa energia aumenta a vida util da bateria”.

Agora se tem um horário mais apertado para carregar, aí pode compensar um carregador mais rápido.

3 curtidas

Sinceramente, acho que você vai sentir que não será necessário mais do que um carregador de 7,4 se for pra carregar durante a noite.
Finalmente consegui instalar meu Wallbox essa semana na vaga do meu prédio!

1 curtida

@Marcelo.Andrade poderia me mostrar exatamente onde você encontrou que o fabricante não recomenda carregar com alto soc, ou que o fabricante diz que tem que carregar de baixo soc?

Porque li os manuais australiano e brasileiro e não achei nada nesta linha mencionada por você. O que achei, que pode ter causado confusão, é o texto abaixo:

“Recomenda-se conduzir o veículo a temperatura ambiente entre 10 e 40C. Quando o SOC atingir 20%, comece a procurar um ponto de recarga.”

Pode-se entender que o texto manda conduzir regularmente até chegar a 20%, entendo que não, essa parece mais uma orientação de operação simplificada que para quem está alugando um byd do que para quem tem um carregador em casa e quer maximizar a vida da bateria.

Outro ponto do manual é interessante, em uma leitura desatenta parece suportar essa ideia de carregar com baixo soc, mas inferindo para o nosso verão, quer dizer o contrário:

“Durante a recarga DC na condição alta de baixa temperatura e alta condição de carga da bateria, com base nas características de baixa temperatura da bateria de tração a corrente de recarga é pequena. Para aumentar a velocidade de recarga, recomenda-se que que o veiculo seja carregado com uma baixa condição de carga.”

Isso vale para invernos muito rigorosos (o manual é global). No nosso verão, considerando que as temperaturas estão perto de 35C e que a temperatura ideal da bateria LFP durante a carga é de 5-45C, carregar a bateria a partir de um soc baixo vai trazer uma corrente mais forte aumentando mais rapidamente a temperatura e prejudicando sua vida útil. Assim, carregar a partir de um soc maior neste calorão ofenderia menos a bateria.

Mas o mais surpreendente para mim foi o texto abaixo, ninguém aqui mencionou algo parecido:

"Durante a operação de rotina, use o equipamento de recarga para carga completa do veículo regularmente (recomenda-se no minimo 1 vez por semana) e carregar o veículo por completo em baixo soc (<10%) a cada 3 ou 6 meses."
.

2 curtidas

carregar o veículo por completo em baixo soc (<10%) a cada 3 ou 6 meses

@Truc_dp É para calibrar o BMS e linearizar a tensão (a LPF tem um leve efeito memória que gera pequenos “bumps” na tensão).

Sobre a temperatura, o carro usa a bomba de calor para resfriar as baterias. Se a temperatura estiver muito alta, o BMS reduz a corrente de carga para controlar a temperatura também. Ele faz o possível para preservar a bateria…

Sobre o soc, evito baixa muito. Já fico incomodado com carga abaixo de 50%. Baixo DoD é bom pra LFP, isso é documentado. O manual é meio vago sobre cargas regulares, apenas diz “Durante a operação de rotina, use o equipamento de recarga para carga completa do veículo regularmente (recomenda-se no minimo 1 vez por semana)” como vc mesmo já citou.

Mas o que tem que evitar mesmo é deixar o carro no Sol, isso esquenta e estraga a bateria (tá no manual tb…)

2 curtidas

Obrigado!Vale a pena fazer essa descida a 10% nos primeiros dias que pegar o carro, ou no final dos 3-6 meses? Ou tanto faz?

Acho melhor fazer depois de 3 meses, carro zerado não tem necessidade.

1 curtida

Também observei com atenção essa recomendação, nem haveria necessidade de eu recarregar semanalmente, mas, conforme essa orientação devo recarregar semanalmente independente da carga ainda restante.

uma dúvida besta pessoal, mas

tipo, se carregar o carro por curto período de tempo, por exemplo, minha bateria estava 50%, fui ao shopping, e deixei o carro carregando no shopping, quando fui embora, a bateria estava em 60%

isso prejudica a vida útil da bateria? ou nao muda nada? pergunto isso justamente para essas ocasiões, tipo shopping, ou as vezes restaurantes que tambem estao tendo pontos de recarga, pra saber se vale a pena esse pouquinho de bateria a mais, ou se no final das contas acaba até prejudicando… se alguem puder me ajudar, agradeço, abraço

2 curtidas

se carregar o carro por curto período de tempo, por exemplo, minha bateria estava 50%, fui ao shopping, e deixei o carro carregando no shopping, quando fui embora, a bateria estava em 60% Isso prejudica a vida útil da bateria? ou nao muda nada?

Não tem problema fazer cargas parciais em baterias LFP. Inclusive já tivemos uma discussão em outro tópico sobre carregar o carro até 80% em vez de 100%. O que ocorre em cargas parciais é que o gerenciador da bateria (BMS) pode ficar um pouco impreciso e não estimar corretamente a autonomia. Já deixar a bateria com carga baixa por muito tempo tem impacto na durabilidade (também tá no manual).

Mas como as baterias são projetadas e exaustivamente testadas com um determinado perfil de carga e descarga, então por segurança sigo a recomendação do fabricante sempre que possível, ou seja, fazer cargas completas quando estou usando o carro regularmente (carro parado é outra história).

Em resumo, se vez ou outra não der pra seguir a risca as recomendações do manual, não tem problema.

Bom, vou deixar meus pitacos, aqui. 1) Com relação à instalação, dá pra ver que você roda bastante, até 100 km por dia. Vamos supor que gaste 15 kWh pra 100 km. Bom, isso recarrega em pouco mais de 2 horas com um carregador de 7 kW… Imagino que você vai poder deixar carregando por bem mais tempo que isso, Suponhamos que volte pra casa às 20:00 e saia às 06:00, seriam 10 horas pra recarregar! Então, o carregador de 11 kW só se justificaria se você precisasse recarregar 100% da bateria em menos de 6 horas. Ou, numa situação mais provável, tivesse que sair em viagem longa logo depois de chegar em casa, situação em que seria desejável estar com 100% da bateria.

1 curtida
  1. Durabilidade da bateria. Provavelmente sua bateria vai durar muito mais que uns 8 anos. Quando se fala em durabilidade de uma bateria de carro elétrico, significa manter 80% de capacidade de carga de uma nova. Se isso está OK pra você. Nem se preocupe com isso. Se você tiver a preocupação séria de manter a vida da bateria (digamos… uns 95% da capacidade de uma nova daqui 8 anos não seria mau…), então você tem que evitar temperaturas altas no interior das células. Ah, mas a bomba de calor vai tratar de retirar o calor que vai se formando nas células! Verdade, mas LOCALMENTE, no interior de cada célula, vai se formando calor no processo de carga e descarga. Puntualmente, pode esquentar consideravelmente. ANTES do calor poder ser conduzido até o sistema de refrigeração. E é essa a principal causa que vai matar sua bateria com o tempo.

Resumidamente, para prolongar a vida útil da sua bateria, você precisa carregar e descarregar na menor taxa possível, para dar tempo do calor chegar até o sistema de refrigeração que fica ao longo da bateria. Isso significa, durante a condução do veículo, acelerar e desacelerar na menor taxa possível, ou seja, pisar leve e evitar frear bruscamente, o que nem sempre é possível, conforme as situações no trânsito. O que é possível, dependendo de cada usuário, é carregar MUITO lentamente, sempre que possível, assim, você vai ter “desgaste” de vida útil ao dirigir, mas não ao recarregar.

Não dá pra ter certeza qual o nível de corrente de recarga vai ser significativamente danoso pra sua bateria, possivelmente 7 kW é relativamente tranquilo, quando a gente dirige, mesmo com o pé leve, atinge facilmente 20 kW ao acelerar e frear. Mas note que isso é inevitável e SOMENTE no período em que estamos dirigindo. Como normalmente eu POSSO deixar o carro carregando por muito tempo, escolho carregar a 1 ou 2 kW (tenho um carregador portátil que permite isso).

Se o carregador de 11 kW permite usar uma potência assim, bem baixa, eu acho que poderia JUSTIFICAR O CUSTO ADICIONAL de adquirir e instalar um. A 1 kW, se a temperatura ambiente estiver fresca, nem chega a acionar a ventoinha da bomba de calor. A 7 kW, aciona com relativa frequência, então, você pode imaginar que gera LOCALMENTE na célula um calor bem mais considerável. Agora, eu acho que seja bom evitar carregadores acima de 30 kW sempre que possível. Lógico que durante uma viagem, o ideal é que carregue rapidamente a 88 kW, mas no dia-a-dia, uso só na cidade então tenho a possiblidade de deixar carregando lentamente.

O Júlio discorda, mas é justamente o fato do calor matar a vida útil da bateria é que se deve evitar carregar acima de 80%, mesmo na bateria LFP. É só olhar os gráficos de voltagem da célula x SoC. A maioria das células LFP tem um valor nominal de 3.2V. Isso significa que essa é a voltagem padrão, durante o uso, espera-se obter pelo menos 3.2V de uma bateria com carga, fica numa região da curva relativamente linear entre 20% e 80%. Mas ao descarregar profundamente (SoC zero), vai chegar perto de 2V e ao carregar completamente (SoC 100%), vai chegar até a uns 3.6V, dependendo do fabricante. Acima de 80%, entra numa região exponencial em que se precisa aumentar MUITO a voltagem para se obter um aumento de carga relevante. E essa voltagem acima dessa região linear é o que reduz a vida útil de TODAS as baterias de lítio, INCLUSIVE das LFP.

Tem um gráfico SoC x voltagem no link abaixo:

Para falar em linguagem simples, na região exponencial (nos extremos da curva de carga) precisa “forçar” mais pra conseguir ganhar uma carga adicional, durante a carga (SoC perto de 100%) ou durante a descarga (SoC perto de 0%). Digamos que a bateria “não gosta” de ser tratada dessa maneira, vai perder vida útil.

Em outras palavras, pra carregar um pouco mais perto dos 100%, você vai ter que aumentar consideravelmente a voltagem da célula e esse processo gera… CALOR! E isso vale pra QUALQUER bateria de lítio, inclusive as LFP!

Carregar rápido mata a bateria porque gera calor e carregar por bastante tempo também, porque gera calor. Curiosamente isso significa que o ideal são cargas a baixa corrente ou as mais curtas possível, se estiver gerando calor relevante. Pode ser melhor carregar várias vezes por curtos períodos do que deixar carregando bastante, por muito tempo.

Ah, mas o fabricante fala pra carregar a 100%! Se coloque no lugar do engenheiro e do departamento de marketing que tem que pensar em tornar o carro fácil o bastante de usar pra qualquer pessoa, SEM ter que dar toda a explicação acima! Você sabe que mesmo carregando até 100% todo dia, a bateria ainda vai ter 80% da capacidade de uma nova após 8 anos! Além disso, é necessário dar 100% de carga de vez em quando para recalibrar o controlador de carga (BMS). Então você vai recomendar que se carregue a 100%! Não dá pra vender um produto complicado pra 90% da população. Pensem bem, se tivesse que saber de toda a teoria por trás, a maioria não ia querer ter um carro elétrico!

Agora, sabendo de toda essa questão do calor, você pode OPTAR por evitar os extremos da curva de carga.

E EVITE A TODO CUSTO deixar a carga cair abaixo de 10%. Você vai evitar perrengues e proteger MUITO a bateria. Parece que deixar a voltagem cair bastante é MUITO, MUITO pior do que carregar a 100%.

Ah, mas a LFP tem efeito memória… Esqueça isso. O BMS não se baseia exclusivamente na voltagem pra medir a capacidade da bateria. Ele integra a corrente que entra e sai dela o tempo todo. Basta carregar a 100% ocasionalmente que ele vai estar calibradinho. E mesmo que não carregar, a estimativa de carga no painel vai ser boa o bastante, desde que você não arrisque demais rodar com uma carga muito baixa. Regra de ouro: evite a todo custo deixar a carga cair abaixo de 30% numa viagem, porque você não sabe com certeza absoluta quando vai achar um carregador rápido, funcionando e que não esteja ocupado! E, aproveite para calibrar o BMS antes da viagem, carregando a 100%!

Novamente, a questão é polêmica e essa é apenas minha opinião, respeito muito a opinião de todos que não concordarem, não tenho a intenção de tornar este fórum desagradável iniciando discussões intermináveis. Só achei importante expor minhas razões.

4 curtidas

Não sei o inversor do dolphin plus. Mas o dolphin normal tem um inversor de 6kwh, ou seja, ele não carrega mais rápido que isso em carregador de corrente alternada nem que seja com o carregador de 11kwh.

A única forma de carregar mais rápido seria com carregador de corrente continua, o que eu penso que não é uma solução viável pra instalação domiliciar, pelo menos por hora.