Medir saúde da bateria

Bom dia pessoal! Aproveitei o desconto de 15k que estão dando para esvaziar o estoque 23/24 e comprei o Dolphin Plus esta semana, ai bateu uma dúvida:
Como foi fabricado em 2023, será que o pessoal da concessionária seguem os procedimentos descritos no manual para manter a saúde da bateria em dia, já que teoricamente o carro está parado a no mínimo 6 meses?
Claro que o vendedor falou para mim que sim, mas não da para confiar em vendedor!! kkk
Queria fazer um diagnóstico da bateria quando pegar o carro, mas pesquisando no google só achei notícias de startups no exterior que fazem este tipo de serviço
Medir a saúde da bateria seria importante também na hora de comprar um EV usado, além de também possibilitar fazer checagem periódicas para ver se estamos cuidando bem das nossas baterias
Existe alguma outra forma de verificar a saúde da bateria, que não seja acompanhar a autonomia já que isso tem bastante influência do “pé” do motorista e do relevo do trajeto de cada um?
Será que os dados de um scaner OBD trazem estas informações?

ola @Marcelo.Andrade, apesar de ser um usuário novo aqui no fórum, acompanho ele de forma anônima desde sua criação e posso dizer que aqui é o lugar que tem o melhor conteúdo sobre o Dolphin no Brasil, principalmente pela sua contribuição e dos demais usuários mais antigos do fórum

Porém acredito que você não entendeu a minha pergunta.
Não estou perguntando como cuidar da bateria para que ela tenha uma boa vida útil, isto realmente está bem claro aqui nos tópicos anteriores
As discussões em nível técnico que você comenta realmente nos mostram com artigos e estudos a melhor maneira de carregar, temperaturas ideais, carga lenta/rápida, níveis a ser evitados (DoD < 10%), equalização etc
Sobre o OBD, tem uma resposta do @julio em um tópico que mostra todos os sensores disponíveis de um dos modelos, ali vc consegue até ver um problema pontual mas não o estado de saúde da bateria (state of health - SOH) que é a questão que estou trazendo. (deixo aqui um artigo interessante sobre a diferença dos 3 estados da bateria que podem ser medidos: SOC/SOH/SOP https://www.mokoenergy.com/pt/differences-and-relationships-of-battery-state/)

Como comentei no tópico esta medição vai ser muito útil na compra de um EV usado ou para acompanharmos na pratica a deterioração da bateria
Pesquisando vi que já existe startups no exterior e o @Murilo comenta também no tópico “Como prolongar a vida útil da bateria de tração?” que “Lá fora já existem aplicativos compatíveis com alguns carros elétricos que mensuram a degradação da bateria, muito breve já deve ter app compatível com BYD” e também que “parte da valoração de nossos carros no mercado de usados, será feito com base na degradação da bateria”

A BYD garante que em 8 anos nossas baterias estarão com um SOH de 60%, mas quem garante que eles nos entregam o carro com SOH com 100%? Ja vi pessoas reclamando da autonomia e as respostas são sempre as mesmas orientando “pisar” mais leve ou colocando a culpa no relevo de seu trajeto, mas quem garante que eles não receberam o carro com um SOH já degradado?
Você já comentou várias vezes que carrega sempre até 100%, alguns usuários não deixam passar de 80%. Quem está certo? Não temos como responder sem antes medir o SOH de cada um em uma mesma quilometragem.

Ai que vem a minha pergunta: Um carro a combustão podemos levar a qualquer mecânico que eles vão fazer diagnóstico para ver a saúde do motor. Já um EV, onde podemos levar para fazer um diagnóstico para ver o SOH ou SOP?

Realmente não vi nenhuma discussão sobre este assunto em tópicos anteriores, por isso criei este. Mas se eu estiver errado, me desculpe e pode excluir o tópico.

3 curtidas

Claudio entendi me desculpe, pois não havia entendido que este era o real motivo e sim considero muito importante vamos em frente concordo

2 curtidas

Se o carro ficar parado muito tempo, ele entra em um estado de hibernação e quase não gasta bateria. A bateria ficando abaixo de 80% e acima de 20%, não é prejudicial para o carro/bateria.

1 curtida

Sim, um scanner OBD fornece todas as informações sobre o estado da bateria, mostrando detalhes célula por célula.

1 curtida

Teoricamente, uma forma que pode ser usada com o Plug OBD:

Carregar a bateria com 100% e anotar os valores de Accumulated Charge (vamos chamar de AC100) e Accumulated Discharge (vamos chamar de AD100).

Depois que o carro estiver com uma carga baixa, como 20% por exemplo, anotar estes valores novamente (AC20 para o valor de Accumulated Charge e AD20 para Accumulated Discharge).

Calcular o total que descarregou: TD = AD20 - AD100
Calcular o total que recarregou com regeneração: TC = AC20 - AC100
Calcular quantos Ah foram usados: U = TD - TC

Como medimos de 20% a 100% (diferença de 80%), vamos fazer um proporcional para ver total de Ah:

TotalAh = U / 80% ou
TotalAh = U / 0,8

Pelo OBD, o valor final TotalAh teria que ser 137 Ah (campo HV Battery Pack Factory Capacity). Se tiver abaixo, a bateria reteve menos carga e está desgastada.

Vou fazer uma medição prática para ver como isso se comporta e depois posto aqui.

9 curtidas

Pessoal, para enriquecer este tópico achei uma empresa em Portugal que fornece exatamente o teste que comentei: Teste de bateria para veículos eletrificados
Clicando em “Agendar” da para ter uma noção de preço:

  • Verificação de Qualidade DEKRA: 105,00 € (IVA incluído)
  • Teste de Bateria DEKRA: 100,00 € (IVA incluído)
  • Verificação de Qualidade + Teste de Bateria DEKRA: 190,00€ (IVA incluído)

O diagnóstico sai em 15 minutos e é feito coletando dados via OBD, classificando os valores medidos e confrontando eles com um banco de dados altamente complexo, ligado a um algoritmo patenteado, segundo informações do site

Acredito que com a popularização dos carros elétricos, no futuro teremos este tipo de serviços disponíveis por aqui também

2 curtidas

Fiz o teste da bateria.

Achei melhor usar kWh em vez de Ah, evita ter que ficar medindo a tensão para calcular a energia e é uma unidade que já estamos mais acostumados. Seguem os dados, inicialmente com 100% de carga:

AC100 = 4823 kWh
AD100 = 4794 kWh

Aproveitei que estava precisando fazer uma carga profunda para recalibrar o BMS e deixei descarregar até 9%.

AC9 = 4850 kWh
AD9 = 4862 kWh

Fazendo os cálculos

Calcular o total que descarregou:

TD = AD9-AD100 = 4862-4794 = 68 kWh

Calcular o total que recarregou com regeneração:

TC = AC9-AC100 = 4850-4823 = 27 kWh

Calcular quantos kWh foram usados:

U = TD - TC = 68 - 27 = 41 kWh

Como medimos de 9% a 100% (diferença de 91%), vamos fazer um proporcional para ver total de kWh:

TotalkWh = U/91%=U/0,91 = 45,054 kWh

Resumindo, meu Dolphin GS está com 23 mil km rodados e por enquanto sem sinal de perda de carga na bateria.

8 curtidas

@julio e @claudio.lourenco Que baita contribuição de vocês! Obrigado por criarem esse tópico e levarem adiante essa discussão. Obrigado por compartilhar esse esquema de verificação com o OBD.

Nós últimos dias eu tenho ficado aflito aqui, pensando em alguma forma de provar que minha bateria veio com algum problema. O meu é um Dolphin GS comprado na Servopa Curitiba. 6mil km rodados (8 meses de uso). Tá difícil conseguir passar de 300km de autonomia, mesmo com pé leve, trânsito 100% urbano e tentando as mais diversas configurações (Larger, Standard, etc). Estou bem desconfiado de algo errado com minha bateria, pois na média acumulada (aquela definitiva, que não dá pra zerar no painel) está com 12kW/100km de consumo médio, ou seja, por esta média teria que fazer pelo menos uns 350km a 370km de autonomia. Não tem passado de 300km… algo de errado não tá certo! :sweat_smile:

Na próxima recarga vou analisar os dados com o OBD, seguindo essa sequencia postada pelo @julio e acho que ao menos terei alguma pista sobre eventual problema.

Muito obrigado pela contribuição de vocês!

2 curtidas

Excelente contribuição. Impressionante estes dados, especificamente sobre a regeneração. Temos uma perda de apenas 35% da energia gasta ou uma eficiência de 65% na energia recuperada.

Daria pra fazer essa mesma medição no carregador portátil. Eu sempre recarrego com o portátil da taysla que mostra a energia acumulada, e anoto quantos kWh foram gastos na recarga. Tenho uma planilha com todas as recargas, e dada essa ideia vou fazer uma coluna só de capacidade total da bateria. Assim posso acompanhar ao longo do tempo a degradação da mesma.

Tem algum outro fator a considerar, sem ser a capacidade de acumular energia ou esse é o que realmente importa? Pergunto isso porque pensei também no fator eficiência. Se o carro vai manter a mesma eficiência ao longo do tempo. Mas ai já seria outro assunto.

Qual app usou para ver estes dados?

Olá @danquadros , eu também sou de Curitiba e dificilmente passo de 300km com uma carga.

Não sei se é o relevo da cidade, temperatura ou quantidade de pessoas no carro (2 adultos e duas crianças) que estão influenciando negativamente a autonomia.

Seria bom se outras pessoas de Curitiba compartilhassem a sua autonomia para entendermos isso…

1 curtida

Eficiência é mais difícil de medir, tem muitas variáveis. Mas em geral não costuma ter muita perda de eficiência no motor ou inversor com o tempo.

Car Scanner em celular Android.

2 curtidas

Acredito que você pode ficar tranquilo, a bateria só acabaria um pouco afetada se deixassem descarregar abaixo de 10%. Coisa que acaba acontecendo com muita gente no dia-a-dia. Todos os procedimentos antes de deixar o carro armazenado por muito tempo, provavelmente existem para evitar isso. Desgaste da bateria é com o uso, mesmo, carga e descarga. E, demora muito pra uma bateria LFP descarregar espontaneamente a esse ponto.

Posso estar enganado, mas acho que existe uma forma bem simples de checar a vida da bateria. Uma estimativa muito razoável da vida da bateria é a estimativa de autonomia em relação à carga exibida no painel. Depois de usar o carro por alguns dias, dê uma descarga até uns 20% e carregamento até uns 80%-100%, dê uma olhada na estimativa de autonomia e veja se está coerente com a carga exibida. A estimativa de autonomia no painel é bem razoável, o fabricante não quer que ninguém fique na mão, ia dar muito processo na cabeça deles. Se carga da bateria e estimativa de autonomia estiverem coerentes, acredito que está tudo bem.

1 curtida

Pessoal, tem um vídeo que o cara foi bem mais simplista para verificar se a bateria está degradada ou não: https://www.youtube.com/watch?v=3AoLlIeMFTY
No minuto 12:20 ele mostra os dados de capacidade que veio de fábrica (HV Battery Pack Factory Capacity) e capacidade atual da bateria (HV Batery Pack Current Nominal Capacity) e comenta que se a capacidade atual estiver menor que a de fábrica significa que a bateria começou a degradar (obs: ele fala SoC, mas esta mostrando o Capacity! rsrs)
Será que daria para confiar nestes números?
Vi no print do @julio que o de fábrica esta com 137 e o atual está com 135,63… isso seria uma degradação de aproximadamente 1% se isto estivesse certo

@thiago1 neste vídeo ele comenta que os carros estão saindo com diferentes capacidades de bateria. No vídeo ele mostra que o que ele está analisando tem 138.1Ah e que o dele tem 137Ah, mas que alguns inscritos do canal comentam que receberam com 135Ah… essa diferença é pouca, daria menos de 10km de diferença de autonomia entre o menor e o maior, mas da uma conferida para ver se o seu está neste range

Vamos lá.

O Dolphin tem celulas Blade. Cada célula tem capacidade de 138Ah e tensão nominal de 3,2V. O Dolphin GS tem 104 celulas ligadas na configuração 104s1p.

Ou seja, todas as células ligadas em série, totalizando uma tensão nominal de 333V (104 * 3,2V - circuito em série soma as tensões) e mantendo os mesmos 138Ah (circuito em série mantém a corrente).

Esse valor de 333V é a tensão de trabalho do inversor e do motor. As 104 celulas fornecem uma capacidade nominal de 45,9 kWh (333V x 138Ah), mas a BYD divulga um valor mais conservador, 44,9 kWh.

Como estão em série pode haver pequenas variações no Ah final, por isso usei o cálculo de energia em kWh, pois temos que considerar a variação da tensão da bateria. O que importa pra gente é a energia disponível, que depende do Ah e da tensão (Ah x V = Wh). Não acho que medir por Ah sozinho seja muito confiável para determinar a degradação da bateria. Mas um valor muito baixo pode indicar alguma celula Blade com defeito.

2 curtidas